SIMULAÇÃO DE SISTEMAS

Disciplina: Método Monte Carlo

(Fases do Método)

 

 

 

 

Curso (Continuação...)

 

O MÉTODO MONTE CARLO - FASES DO MÉTODO

 

O Método Monte Carlo de simulação pode ser esboçado em três fases distintas:

 

a) Fase 1 - Formulação do Modelo

 

Esta fase é praticamente igual para todos os modelos de Pesquisa Operacional. Há o perigo, sempre presente, de se incluir muitos detalhes, e, como resultado, consumir tempo excessivo de computação para efetuar a experimentação do modelo. A melhor forma de se evitar esse tipo de problema é procurar definir claramente quais são os objetivos específicos. Assim, ao se definir o dimensionamento de uma plataforma de descarga de um armazém, poderá ser importante a realização de simulações em nível de horas. Por outro lado, se o objetivo for identificar a localização do armazém, esse tempo poderá ser discretizado em semanas ou até em meses.

 

b) Fase 2 - Projeto do Experimento

 

Pode-se reduzir a probabilidade de se cometer enganos e perder tempo, desenvolvendo detalhes dos procedimentos experimentais antes de rodar o modelo. Isto significa que é necessário pensar cuidadosamente que características do sistema simulado planejam-se medir. Além disso, devem-se considerar as ferramentas estatísticas que se planejam aplicar para levar em conta as flutuações experimentais nas medidas.

 

c) Fase 3 - Desenvolvimento do Programa de Computador

 

Os experimentos de simulação, por razões de tempo, deverão ser realizados por um computador. Isto significa que cada evolução histórica do modelo, inclusive a de eventos aleatórios, será feita pelo computador. No caso de modelos muito simples, pode-se fazer uso de linguagens convencionais, tais como: FORTRAN; PASCAL; PL/l; ALGOL; entre outras. No caso de modelos mais complexos, existem disponíveis linguagens de programação específicas, tais como: SIMSCRIPT; GPSS; GASP; e SIMULA, em geral só disponíveis, a nível comercial, para computadores de grande porte.

 

Embora tenham sido apresentadas três fases distintas, o desenvolvimento das mesmas não é completamente separado e sequencial.

 

 

OBSERVAÇÃO: Quando o texto trata a questão computacional, mais precisamente Tempo Computacional e o Computador em si, é bom ressaltar que este texto foi escrito em 1989. Evidentemente, que na época  com computadores no máximo (tirando as poucas Estações de Trabalho - Na UFSC-Universidade Federal de Santa Catarina, por exemplo, somente o Departamento de Engeharia Macânica o qual já vinha trabalhando com SIMULAÇÂO DE SISTEMAS com ênfase na Computação Gráfica que estava dando seus primeiros passos - da Família XT com 640 kb de memória RAM, o tempo computacional e espaço para armazenamento de dados eram as preocupações, independentemente de se utilizar esta ou aquela Linguagem de Programação: Resta, então, saber o que se tem atualmente em termos  de feramentas e se o tempo computacional (falando, então, em Ordem Complexidade de Algoritmos) e espaço para armazenamento de dados ainda é algo que venha preocupar o profissional que estaria resolvendo um problema de simulação!

  A partir de 12 Set de 2020

Você é o Visitante de Número